GTPS lança documento sobre os desafios da pecuária relacionados à sustentabilidade

Material será lançado em eventos durante a COP21.

Por Lorrany Oliveira
04/12/2015 - 15:27
OUTRO

Foto: COP21

Material será lançado em eventos durante a COP21. Objetivo do documento é dar subsídios para um debate aberto e construtivo sobre as questões que permeiam o setor

Durante a 21ª edição da Conferência das Partes (COP21), o Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS) lança o documento “Brazilian Livestock and its Contribution to Sustainable Development”. O objetivo do documento, construído em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), é divulgar os avanços da pecuária brasileira, reunir as informações mais atualizadas sobre os desafios da sustentabilidade relacionados com a atividade, além de organizar estas informações como uma forma de promover um debate aberto e construtivo sobre as questões transversais do setor.

Para Fernando Sampaio, presidente do GTPS, “o desenvolvimento e a conclusão do Position Paper demonstram o amadurecimento do GTPS como um grupo que reúne todos os elos da cadeia de valor da pecuária. O documento compila as melhores informações disponíveis sobre os desafios da pecuária e sobre os avanços que a atividade vem alcançando nos últimos anos. A pecuária é uma atividade que pode contribuir significativamente para as metas de desenvolvimento determinadas pelas Nações Unidas, e queremos promover um debate construtivo sobre como a pecuária pode auxiliar o governo brasileiro no alcance das metas estabelecidas pela Convenção de Mudanças Climáticas”.

Para acessar o documento em inglês, acesse: http://goo.gl/DIhWQE
 
Veja os pontos principais do documento:
- Já atingimos 74% do comprometimento voluntário para reduzir 80% do desmatamento na Amazônia até 2020;

 - O desmatamento depende de vários fatores como a exploração de madeireiras ilegais, falta de posse da terra, a expansão da pecuária e agricultura e o desmatamento de pequenas áreas para assentamentos rurais e áreas indígenas;

- A dinâmica do uso da terra no Brasil envolve a restauração da pastagem, desmatamento ilegal zero, intensificação da pecuária, restauração da vegetação nativa e a competição por terra entre diferentes produtores agrícolas;

- Restauração de pastagem é um fator chave para promover pecuária sustentável no Brasil, abordando a emissão de carbono, reduzindo a pressão por novos desmatamentos e apoiando o uso responsável da água;

- Até 2030, a meta de alcance de áreas de pastagem é de 161 milhões de hectares, liberando 17 milhões de hectares para outros cultivos, florestas plantadas e restauradas sob o Código Florestal (Lei Federal n° 12.651/2015);

- O processo de cumprimento e execução do Código Florestal representa uma grande oportunidade para balancear a produção e criará uma agenda de restauração de pelo menos 12 milhões de hectares nos próximos anos;

- O Cadastro Ambiental Rural (CAR) alcançou 244 milhões de hectares de um total de 398 milhões de hectares. Este número representa 61,5% da área total registrada até outubro de 2015; na Amazônia, a área registrada já alcançou 78,5%;

- Existem 190 milhões de hectares de áreas protegidas localizadas em propriedades. As áreas de Preservação Permanente e Áreas de Reservas Legais estocam até 99 bilhões de toneladas de CO2 e auxiliam no alcance dos objetivos brasileiros em biodiversidade;

- O CAR pode ser usado como uma ferramenta para monitorar o cumprimento ambiental e atingir uma informação transparente sobre o desmatamento na relação entre propriedades;

- A conservação da vegetação nativa em fazendas de pecuária e o aprimoramento de boas práticas agropecuárias são formas de promover as metas para a biodiversidade, assim como os objetivos para o desenvolvimento sustentável;

- O equilíbrio da emissão de gases do efeito estufa pela pecuária precisa ser aprimorado, considerando o sequestro de carbono pela pastagem e um melhor desenvolvimento metodológico para cumprir com o Acordo de Paris proposto pela UNFCCC;

- Em 2012, a emissão de metano pela pecuária utilizando o GTP (Global Temperature Potential) representava 66.350 milhões de toneladas de CO2 comparado a 278.670 milhões de toneladas de CO2 baseadas no GWP (Global Warming Potential);

- A recuperação de pastagem e o Sistema de Integração Lavoura, Pecuária e Floresta (ILPF), que inclui a variação de estoque de carbono pela soja, fermentação entérica, esterco e fertilização de nitrogênio podem significar uma redução de emissões de 100 e 25 milhões de toneladas de CO2, respectivamente;

- Restauração de pastagem e a disseminação de boas práticas agropecuárias são as ações mais promissoras em direção a uma pecuária sustentável. A estruturação destas ações como, por exemplo, a criação do Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS) estão auxiliando o desenvolvimento de uma pecuária mais responsável e eficiente no Brasil.
 
Participação do GTPS na COP21

Sabendo da relevância da próxima COP21 nas discussões sobre as questões climáticas, o GTPS marcará presença em três eventos durante a vigésima primeira Conferência. A intenção é discutir o papel da pecuária no alcance das metas estabelecidas pela Convenção de Mudanças Climáticas, além de divulgar o trabalho desenvolvido pelo grupo em prol de uma atividade mais sustentável, socialmente justa, ambientalmente correta e economicamente viável.

04/12 – Evento National Wildlife Federation

A finalidade do evento é apresentar as ações do setor público e privado que reduziram o desmatamento nas cadeias de abastecimento, com um foco em pecuária, couro e óleo de palma. O evento será realizado no UN Civil Society Pavilion, das 16h00 às 17h30.

06/12 – Estande no Global Landscapes Forum

O Global Landscapes Forum é organizado por um consórcio multissetorial de organizações internacionais, dentre elas o Banco Mundial, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e Desenvolvimento (PNUD), o World Resources Institute (WRI) e o Center for International Forestry Research (CIFOR).

O evento, que pretende contar com 2500 participantes, acontecerá nos dias 05 e 06 de dezembro, tem como missão tratar dos assuntos frequentemente relacionados a pecuária, tais como: desmatamento/biodiversidade, emissão de gases de efeito estufa e uso da água.

No segundo dia do evento, o GTPS estará presente no espaço Finance & Trade Pavilion, em uma ação conjunta com a Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG), a Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, a Sociedade Rural Brasileira (SRB) e a Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS). As organizações pretendem demostrar como as discussões por elas desenvolvidas podem auxiliar no alcance das metas estabelecidas pela Convenção de Mudanças Climáticas.

Local - Palais des Congrès de Paris

Estande - Pavilhão C ”Finance & Trade Pavilion” - 13

Endereço - 2 Place de la Porte Maillot,75017 –  Paris, França

Horário - das 7:30 às 21:00

Site - http://www.landscapes.org/glf-2015/

07/12 - Sustainable Land Use in Brazil – New practices and investments oportunities for a better future

O evento, em parceria com a  Sociedade Rural Brasileira, Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), Embaixadas, Credit Agricole e Business France será organizado no formato de debate, liderado por um moderador. Cada um dos representantes das entidades fará uma exposição sobre as respectivas iniciativas e como encaram o Brasil e o agronegócio brasileiro no cenário internacional.

Local - Maison de l’Amérique Latine
Endereço - 217 Boulevard Saint-Germain, 75007 Paris
Horário - das 16:00 às 18:00

Fonte: Agrolink